Painel do Cliente Novo Cadastro

Atendimento

Atendimento

55 3322-5694

Baixar Catálogo

Baixar

Catálogo

Meus Pedidos

Meus

Pedidos

Minha Conta

Minha

Conta

Seja uma Revenda

Seja uma

Revenda

Rede Shop Rural Ordenhadeira Ordenha Rede Shop Rural Ordenhadeira Ordenha
MenuMenu

Painel do Cliente

Conjunto de Ordenha
Depósito de Vácuo
Kit Instalação de Ordenha
Medidor de Leite
Ordenha 1 vaca por vez
Ordenha até 2 vacas por vez
Ordenha até 3 vacas por vez
Ordenha até 4 vacas por vez
Ordenha até 5 vacas por vez
Ordenhadeira Canalizada
Ordenhadeira Completa
Ordenhadeira Movel
Unidades de Vácuo
Correias
Esticadores de Correia
Oleo
Peças de Borracha
Peças para Vácuo
Pulsadores e Peças
Reguladores de Vácuo
Transferidor
Bombas de transferência
Bombas de vácuo
Contactoras
Disjuntores
Motores Alta Rotação
Motores Baixa Rotação
Palhetas
Polias em Alumínio
Polias em Ferro
Retentores
Rolamentos
Selos Mecânicos
Base para Coletores de Leite
Capas de Teteira
Peças para Coletores
Tampas de Coletores
Válvulas TIP TOP
Jardim
Mangueiras Espiral
Mangueiras para Ordenha
INABOR
prime
Teteira de Borracha Prime
Teteira em Borracha
Teteira em Silicone
Teteira Importada
Teteira Triangular
Aplicadores
Aquecedores Solares/Elétricos
Escovas
Filtros
Lavador e Peças
Placas Solares
Produtos Químicos
Resistência
Eletrificadores
Veterinária
Abraçadeiras
Abraçadeiras Rosca sem fim
Botas
Equipamentos de Aferição
Ferramentas
Laticínios
Mochadores
Peças Caminhão
Peças em PVC
Transformadores

Utilização da cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Publicada em 13 de Dezembro 2018.

Utilização da cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Os elevados índices produtivos e os altos teores de carboidratos fazem da cana-de-açúcar uma excelente fonte de alimento forrageiro. Porém, possui alguns limitantes como a baixa qualidade da FDN e a presença de fermentações indesejadas no material picado. Uma alternativa para esta limitação é o processo de ensilagem, que permite sua conservação e manutenção do valor nutritivo.

 A cana-de-açúcar (Saccharum spp.) é oriunda do sudeste asiático, trazida para o Brasil ainda no período colonial, encontrando aqui condições muito favoráveis ao desenvolvimento da cultura. É cultivada principalmente nas regiões sudeste e nordeste, sendo na região Sudeste a maior concentração de indústrias produtoras de etanol. Vale ressaltar que sua alta produção de massa verde e elevada quantidade de carboidratos solúveis são muito importantes tanto para a indústria sucroalcooleira quanto para a alimentação animal.

Os elevados índices produtivos e os altos teores de carboidratos fazem da cana-de-açúcar uma excelente fonte de alimento forrageiro; porém, possui alguns limitantes como a baixa qualidade da FDN, que pode limitar a ingestão pelo animal, e a presença de fermentações indesejadas no material picado que acabam diminuindo a qualidade do alimento. Na alimentação animal ela é fornecida principalmente in natura, o que eleva os custos devido ao elevado gasto com mão de obra diária. Uma alternativa para esta limitação é o processo de ensilagem, que permite a conservação e manutenção do valor nutritivo da forragem da cana-de-açúcar na forma de silagem.

A utilização de aditivos durante o processo de ensilagem é importante, pois contribui diretamente para o bom estabelecimento da microbiota da silagem e estabilização rápida do pH e, consequentemente, melhor conservação.

Cana-de-açúcar

Pertencente à família Poaceae e gênero Saccharum spp., a cana-de-açúcar é uma das forrageiras mais abundantes no Brasil, com maior parte da produção voltada para a indústria sucroalcooleira. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento - CONAB (2015), o Brasil é o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo, com produção estimada em 655,13 milhões de toneladas, em área cultivada de aproximadamente 8,95 milhões de hectares, com produtividade média de 72 toneladas de MV ha-1.

A produção de cana-de-açúcar é, em sua grande maioria, utilizada na indústria sucroalcooleira, enquanto na alimentação animal é utilizado aproximadamente 10%. O colmo é a parte da planta de maior interesse, pois nele se encontra maior concentração dos carboidratos solúveis. Eles representam aproximadamente 80% da parte aérea da planta, sendo almejado tanto pela indústria quanto para a nutrição animal. As folhas da cana-de-açúcar apresentam maior FDN de baixa qualidade e baixos níveis de carboidratos solúveis. Nesse sentido, na produção de açúcar e álcool, a principal característica avaliada para estimar a qualidade da cana-de-açúcar é o grau Brix, que é a concentração dos carboidratos solúveis presentes no colmo. Quanto à planta utilizada para alimentação animal, leva-se em consideração a produção de matéria verde total, a qualidade da fração fibrosa e a concentração dos carboidratos solúveis.

A cana-de-açúcar apresenta um potencial forrageiro, pois possibilita sua utilização após considerável período de tempo depois de sua maturação, além de elevada produtividade em função da área e baixa necessidade de adubação e irrigação, o que garante baixos custos de produção.

 

Uso na alimentação de bovinos leiteiros

A cana-de-açúcar é uma das formas mais difundidas como meio de suplementação para alimentação animal durante o período seco do ano. O motivo deve-se à sua grande capacidade de produção de MS (34,86 a 40,39 toneladas de cana-de-açúcar por hectare) e ponto ideal para colheita no período da seca, no qual há maior escassez de alimento para os animais e baixo desenvolvimento das forrageiras.

O aumento dos teores de FDN da cana reduz significativamente a fração digestível para os ruminantes, acarretando perdas quanto à qualidade do alimento.

A FDN de baixa qualidade presente na cana-de-açúcar ocasiona retenção de fibras indigestíveis no rumem, resultando em perdas produtivas e nutricionais, pois os animais passam a reduzir a taxa de ingestão de alimento. Estes fatores implicam na necessidade da retirada da folha e palha da cana antes do fornecimento, visando a redução dos níveis de FDN do alimento, visto que as folhas apresentam elevada concentração de fibras de baixa qualidade, se comparadas ao colmo. A retirada deste material pode comprometer o rendimento e acarretar em grandes perdas ao produtor, pois as folhas representam aproximadamente 20% da parte aérea da planta.

A grande desvantagem da cana-de-açúcar em relação às outras espécies forrageiras é o baixo teor de proteína bruta (PB).

O processo de corte e fornecimento diário de cana fresca aos animais já é amplamente conhecido, entretanto, possui a grande desvantagem pela demanda de mão de obra para o corte, picagem e fornecimento, além de perdas ocasionadas por fermentação dos carboidratos solúveis após o corte. Deste modo, a ensilagem da cana é alternativa para facilitar o manejo.

Estudos ressaltam a forma de fornecimento da cana-de-açúcar na inclusão de dietas para vacas leiteiras que não influenciaram significativamente a produção de leite e, ao comparar com alguns tipos de silagem, obtiveram resultados satisfatórios, atingindo a produção média esperada, inclusive raças de maior potencial leiteiro, como as da raça Holandesa. Além disso, vacas tratadas com 50% de silagem, apresentaram média de produção de 11,87 kg/dia, sendo que os mesmos animais tratados com silagem de milho apresentaram produção de 14,5 kg/dia. As quantidades de cana fornecida variavam em função da ingestão diária dos animais, sendo observados valores de inclusão na dieta que variavam entre 33,3 e 100% do volumoso. Nesse sentido, na dieta contendo 100% do volumoso de cana-de-açúcar, atingiu-se produção média de leite de 19,7 Kg, constatando a potencialidade da silagem de cana na alimentação de animais de alta produção.

 

Silagem de cana

Durante o processo de ensilagem ocorre a fermentação dos carboidratos solúveis presentes na cana-de-açúcar, podendo ocasionar grande, perdas por meio de fermentação alcoólica, ou ocasionar a conservação da silagem por meio da fermentação homolática, devido à produção de ácido lático pelas bactérias ácido-láticas.

O processo de ensilagem da cana-de-açúcar pode reduzir a porcentagem de MS e elevar as concentrações de FDN desta forrageira, mas a adição do milho triturado com palha e sabugo recupera estes valores e, juntamente, com a adição de ureia, aumenta o teor de PB.

Trabalhos mostram que a substituição de silagem de milho por cana para vacas com produção de leite de 22 kg/dia foi satisfatória em até 40% do volumoso, e que a fração fibrosa da cana influencia diretamente no tempo de passagem do alimento no trato intestinal, devido à pouca digestibilidade, o que acarreta em redução no consumo de alimento pelo animal.

 

Aditivos químicos

Os aditivos químicos são testados na busca de produtos com menores custos e que proporcionem o maior aproveitamento da silagem de cana-de-açúcar.

A adição entre 1% a 5% da matéria natural de NaOH reduziu significativamente a produção de etanol e aumentou a produção de ácido lático, o que melhorou a estabilidade do material ensilado.

Já a adição de calcário e cal virgem 0,5 a 1%, em função na matéria verde de cana fornecida ao animal, não influenciaram na ação dos aditivos biológicos utilizados nas silagens, mas a aplicação destes na cana in natura aumentou o valor nutritivo da silagem e a redução da FDN.

A utilização de 1,5% de ureia mais 4% de milho foi eficiente no controle do desenvolvimento de leveduras, beneficiando as bactérias ácido-láticos e a conservação da silagem.

A utilização de 2% do peso de cana a ser fornecido aos animais de CaO reduziu os custos e as perdas por fermentação alcoólica e aumentou a hidrolise da fração fibrosa, resultando em maior disponibilização de nutrientes para os animais. Também foi testada a eficiência da queima da cana-de-açúcar antes da ensilagem, o que ocasionou grande perda quanto à matéria seca e PB.

 

Aditivos microbianos

Encontram-se disponíveis no mercado uma série de inóculos isolados para promover a fermentação lática e acética. Entre os mais utilizados estão as bactérias heterofermentativas, que durante o seu processo metabólico produzem os ácidos lático e acético. O principal representante do grupo é o Lactobacillus buchneri.

O processo fermentativo é resultado da soma de condição de anaerobiose, substrato de boa qualidade e população ideal de bactérias ácido láticas, garantindo a boa conservação da silagem e a obtenção de alimento de melhor qualidade. As inclusões dos aditivos microbianos visam a redução da fermentação alcoólica ocasionada por microrganismos aeróbios, e a redução da produção de etanol na silagem, além de evitar o desenvolvimento dos microrganismos anaeróbios indesejáveis, que podem acarretar danos na qualidade da silagem.

As bactérias ácido láticas são muito importantes para a estabilização do pH da silagem e conservação da mesma após abertura do silo (estabilidade aeróbia). O principal representante do grupo é o L. Buchneri, sendo o mais utilizado na fermentação de gramíneas.

A adição apenas de L. buchneri na proporção de 3,6 x106 ufc/g de forragem não teve bom resultado quando aplicado isolado na silagem, mas quando inoculado na mesma concentração com adição de 1 x 106 ufc/g (MV) de Lactobacillus plantarum, observou-se menor perda por fermentação alcoólica.

Ao comparar silagens feitas com inóculos isolados, sendo estes, L. buchneri, L. brevis, L. plantarum, L. paracasei e três Lactobacillus comerciais, observou que as silagens contendo L. bucheneri apresentaram rápida estabilização do pH e rápida estabilização da fase aeróbia da silagem, resultando em maior conservação e melhor qualidade nutricional.

Neyton Carlos da Silva Zootecnista, Mestrando em Produção Animal – ICA/UFMG  

Fonte: http://www.revistaleiteintegral.com.br/noticia/utilizacao-da-cana-de-acucar-na-alimentacao-de-vacas-leiteiras 

Leia mais

Custo da produção abaixa depois da suspensão das tarifas de importação

Custo da produção abaixa depois da suspensão das tarifas de importação

Como fica o mercado leiteiro para Outubro

Como fica o mercado leiteiro para Outubro

Como aumentar a produtividade leiteira

Como aumentar a produtividade leiteira

Cresce a produção global de leite

Cresce a produção global de leite

Futuro dos lácteos no Brasil: como será após a pandemia?

Futuro dos lácteos no Brasil: como será após a pandemia?

Novo recorde no preço do leite

Novo recorde no preço do leite

Tendência de alta no preço do leite vai continuar

Tendência de alta no preço do leite vai continuar

Vamos nos preparar para exportar leite

Vamos nos preparar para exportar leite

Mercado de lácteos segue aquecido neste mês

Mercado de lácteos segue aquecido neste mês

Santa Catarina é o 4º maior produtor de leite no ranking nacional

Santa Catarina é o 4º maior produtor de leite no ranking nacional

Pagamento

Cartões de Crédito e Débito, Depósito e Boleto.
Trabalhamos com PagSeguro

Segurança

Site certificado em uma das
maiores autoridades do mundo

*No cartão de crédito. Ofertas válidas até o término de nossos estoques. Vendas sujeitas a análise e confirmação de dados.
Preços e condições de pagamento exclusivos para compras via internet. Imagens ilustrativas.
RS RURAL DISTRIBUIDORA LTDA ME - CNPJ: 23.816.237/0001­40.
Travessa Maria Aldina Zago, 1566 - Bairro: Brum - CEP 98035-265 - Cruz Alta - RS.
Contato: contato@redeshoprural.com.br ou (55) 3322-5694.
© 2017-2020 Rede Shop Rural
Rede Shop Rural - Distribuidora de peças de ordenhadeira e equipamentos Loja desenvolvida pela Netface